O Leite

Vamos lá falar de um alimento controverso, completamente posto de parte por muitas pessoas, adorado por outras. Um médico francês, o Dr. Henri Joyeux, até diz que começa a aparecer uma corrente de “lactoolicos”, os viciados no leite.

O melhor alimento que alguma vez poderemos ter na vida será o leite materno, daí a urgência, e quase obrigatoriedade, das mães amamentarem os bebés exclusivamente de leite materno até aos 6 meses. A partir daí até ao primeiro ano de vida seria o leite mais algumas sopas de legumes (ricas em fibras e minerais, como o tão desejado cálcio) e algumas papas ou sumos de frutos (que irão fornecer mais fibras e vitaminas).

Já há cerca de 3/4 anos que Universidade de Harvard retirou da dieta do adulto o leite e derivados, e há uma corrente de pediatras, cada vez maior, que também desaconselha o leite na alimentação dos bebés e crianças.

Toda a fêmea mamífera tem leite quando tem uma cria, e isto aplica-se às vacas que apenas têm leite enquanto amamentam o vitelo, e em liberdade, após o desmame, deixa de produzir leite. Hoje em dia, as vacas “leiteiras”, se for necessário por fins económicos, dá leite anos seguidos. É aproveitada logo após o parto, e ligada às máquinas de extracção do leite horas seguidas, e poucos meses após o parto, é fecundada novamente para se manter uma produção constante de leite.

Ora, a vaca por natureza não tem de produzir leite anos seguidos, pelo que a constante estimulação da glândula mamária provoca mastites (inflamações na mama), que por sua vez têm de ser tratadas com antibióticos (que passam para o leite). Além disso, o leite da vaca está carregado de hormonas, e principalmente dos chamados Fatores de Crescimento (GF – Growth Factor).

Estes Fatores de Crescimento são essenciais nos nossos primeiros anos de vida, mas não precisamos dos da vaca para nós. O leitei materno já nos fornece grande parte, e o nosso próprio organismo produz mais.

Em grande parte dos cancros hormono-dependentes (da mama, próstata, ovários, etc), estes Fatores de Crescimento só os vão alimentar, fazendo com que cresçam mais.

Grande parte das crianças já nasce com intolerância à lactose (o açúcar do leite), e os não nascem com essa intolerância por terem as bactérias intestinais necessárias para decomporem a lactose, vão perdendo essas bactérias ao longo da vida. Já se perguntou porque é que se sente inchado/a ou a digestão é mais lenta quando bebe leite? Pois essa é a razão, já não tem as bactérias necessárias para o digerir e o leite fica a fermentar no intestino provocando gases!

AH! E o cálcio?! Vou ficar com osteoporose!

Nada disso! Ainda vai ficar melhor! Já falei de um: os Brócolos. Mas a lista é imensa. Principalmente os vegetais de folha verde escura (as couves são excelentes), tofu, salmão e outros peixes gordos, amêndoas, soja, leguminosas… E pode-se até fazer uma suplementação com cálcio de coral, que já vem naturalmente enriquecido com oligoelementos (como o iodo) que promovem uma melhor absorção e fixação do cálcio.

O leite como sendo alergénio, vai causar inflamação no nosso organismo, pelo que pouco cálcio é absorvido, e o que é absorvido para a corrente sanguínea, fica quase todo nos rins e é eliminado na urina (isto quando não forma as “pedras” nos rins).

Vai um copinho de leite, ou nem por isso?!

 

Sejam saudáveis e realizados!

Filipe Rocha

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *