Trigo

 

“A minha torradinha de pão integral com margarina vegetal é excelente para a minha dieta!” Será mesmo?!

Querem outro alimento controverso?! Eis o senhor Trigo, o trigo moderno, o trigo anão desenvolvido a partir da pesquisa iniciada pelo Centro Internacional de Desenvolvimento de Milho e Trigo na década de 1940, no México, e pelo seu investigador Dr. Norman Borlaug. Estas investigações de hibridização (cruzamento de várias espécies de trigo) vieram criar diferentes variedades de trigo de alto rendimento, mais resistentes a pragas e a climas menos favoráveis ao seu crescimento, diminuindo então a carência de alimentos em regiões do mundo antigamente devastadas pela fome. O Dr. Borlaug até veio a ser laureado com o Prémio Nobel da Paz em 1970, além de outros galardões. Mas será que este trigo veio ser a salvação da Humanidade contra a fome?!

Já há registos com mais de 12 mil anos em que o trigo já fazia parte da alimentação dos humanos, e desde então tem passado por todas as culturas e impérios da história. Mas desde a modesta Espelta silvestre (Triticum spelta) que era cultivada nos primórdios da agricultura, passando pelo Farro (Triticum turgidum) que se cruzou naturalmente com o Triticum tauschii dando ao Trigo mais recente, o Triticum aestivum. Contudo, os trigos utilizados hoje em dia na indústria alimentar ainda resulta de cruzamentos deste trigo com outras espécies, criadas artificialmente pelas investigações do fim do século passado. Hoje em dia utiliza-se o Triticum durum para massas e o Triticum compactum para outros produtos alimentares (bolos, bolachas, etc.).

A Espelta tinha 14 genes, ao passo que o trigo moderno tem 42 genes. Esta carga genética a mais criou um trigo mais rico em hidratos de carbono, mas também com cadeias de proteína maiores, com quantidades de glúten superiores (hoje em dia já se sabe os graves problemas que o glúten provoca, mas isso será assunto para outra publicação). Além disso, o trigo atual, se não for devidamente adubado não consegue crescer naturalmente.

O trigo é composto por 70% de hidratos de carbono, e principalmente por um hidrato composto que se chama Amilopectina A, que assim que entra no nosso organismo é rapidamente transformado em glicose, elevando o valor da insulina de forma abrupta. É um dos alimentos que tem um Índice Glicémico (IG) mais elevado, ou seja, faz uma subida de insulina muito rápida e elevada. E esta subida de insulina depressa aparece, mas é de curta duração, após duas horas cai a pique, levando a uma sensação de fome mais rápida quando temos uma refeição essencialmente à base de trigo. E isto é válido para o trigo refinado ou para o trigo integral, ou seja, o pão branco ou o pão integral é praticamente igual. Daí ser desaconselhado o consumo de trigo aos diabéticos, contrariamente às atuais recomendações médicas.

Além do mais, o trigo é viciante. Quando é digerido, formam-se determinadas substancias que conseguem passar a barreira hemato-encefálica, uma barreira que protege o nosso cérebro contra substâncias nocivas ou tóxicas, e que se vão ligar aos mesmos receptores da morfina e dos opiáceos, causando o mesmo vício.

Em alguns estudos em hospitais psiquiátricos, pacientes com esquizofrenia a quem foram retirados os alimentos com trigo e outros cereais, melhoraram bastante, e voltaram a piorar após a reintrodução. Situação semelhante em crianças autistas e em outras perturbações do foro neurológico. Há mesmo um neurologista americano, o Dr. David Perlmutter, tem conseguido resultados excelentes no tratamento da Doença de Alzheimer com a modificação da alimentação nos seus pacientes, principalmente pela supressão do Trigo da alimentação, com os pacientes a readquirirem as suas capacidades cognitivas.

Para o intestino, o trigo é extremamente inflamatório, causando irritação da mucosa intestinal, agravando a maior parte das doenças intestinais (Doença de Crohn, Colite Ulcerosa, etc.). Essa inflamação irá refletir-se igualmente no resto do organismo.

A consumir algum tipo de cereal, podemos optar pela Espelta ou pelo Trigo-sarraceno, felizmente já disponíveis na maior parte das superfícies comerciais.

Então, ainda acha que a torradinha com a margarina vegetal (essa será também para outra publicação) é boa para a sua dieta?!

 

Sejam saudáveis e realizados!

Filipe Rocha

2 pensamentos em “Trigo

    1. Arroz preferencialmente integral ou o basmati. As massas é mesmo de evitar, embora já hajam muitas massas feitas à base de milho (cuidado com os OGM). Existem também hoje em dia máquinas que cortam os vegetais em forma de esparguete.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *